quinta-feira, 26 de abril de 2007

Limbo

Pronto. Agora é oficial: o Limbo não existe e as criancinhas que morrem sem baptismo são acolhidas pela misericórdia de Deus. Estamos todos mais descansados. E surpreendidos, por serem necessários tantos estudos para chegar a esta conclusão.

3 comentários:

JOINCANTO disse...

Ai esse catecismo...
eheheh...

José Pedro Antunes de Oliveira (antigo colega teu) disse...

Ai ai
Erro
Uma comissão foi mandada estudar o empate LIMBO NÃO LIMBO, que é uma interessante guerra que deu que pensar a muitos e ainda nenhum conseguiu solucionar. É verdade. O Limbo é algo complicado, que o diga o próprio S. Tomás.

Bento XVI, por motivos não declarados, voltou a levar o assunto a uma comissão que resolveu dar o Limbo como um engano.

O que passou para o público foi o resultado da comissão, mandada formar pelo Papa. Contudo, os midia, santos sapientes, dizem que a Igreja tinha dito que...

Resultado... O caso do Limbo foi um instrumento estratégico para reforçar alguma movimentação, ou posicionamento, relativamente ao aborto. Reparem nas datas do referendo do aborto em Portugal, as polémicas da eutanásia e asta maravilha do Limbo.

Do Limbo digo eu que me parece que sim... Sim senhor.

Viva o Limbo.

Viva Frei Manuel do Cenáculo

In Corde Jesu, sempre.

JSampaio disse...

JOICANTO

Lembro-me de ter tido a mesma impressão. Esse assunto, delicado, foi, como é costume, retorcido pelos midia.O limbo faz parte do catolicismo mas foi nesse tempo interpretado como matéria opinável depois dos midia assim o tratarem. O seu amigo José Pedro disse bem.