domingo, 18 de março de 2007

Escolhas

Se, numa situação limite, pudesse salvar apenas um livro, escolheria a Bíblia. E se me fosse impossível resgatá-la inteira, escolheria os Evangelhos. Mas se mesmo esses fossem demasiados, optaria por Lucas. E se, por absurdo, fosse obrigado a seleccionar apenas um excerto, salvaria, seguramente, a parábola do Filho Pródigo.
E ficaria tranquilo, porque levaria comigo o retrato do Deus em que acredito.

10 comentários:

Maria disse...

Sim...O Deus revelado por Jesus Cristo

Migalhas disse...

Boa escolha!
Também acredito nesse Deus.

joaquim disse...

É o Deus que é Pai, como nos ensinou Jesus Cristo e nos faz sentir o Espírito Santo.
Seja bem regressado!
Abraço em Cristo

Manuel disse...

Maria, Migalhas e Joaquim,

Obrigado pelos vossos comentários.
Nunca é demais insistir neste DEUS, tão longe, pelos vistos, de muitas e pias propostas eclesiásticas... :)

Anónimo disse...

Eu escolhia o Evangelho de São João.

António Maria

Maria disse...

Um desejo paira no ar de voltar à tradição.Mas é a tradição de quando se misturava Deus com César,não ,infelizmente,a tradição da Igreja dos actos.

Vilma disse...

Excelente escolha!

Zé Ribeiro disse...

A fé do centurião romano, Mateus 8, qualquer coisa.

ZR.

Tiago Madeira disse...

Um retrato de Amor!
Se ainda não leu gostava de propor: "O Regresso do Filho Pródigo - Meditações perante um quadro de Rembrandt", Nouwen, Henri J. M..
Abraço e óptima escolha!

Lua dos Açores disse...

Arrepiei-me ao ler. Deus só pode ser assim.
beijo